SkyscraperPage Forum

SkyscraperPage Forum (https://skyscraperpage.com/forum/index.php)
-   Regiões Metropolitanas Mundiais (https://skyscraperpage.com/forum/forumdisplay.php?f=688)
-   -   Parcelamentos Urbanos e Rurais no Distrito Federal - movimentos do setor (https://skyscraperpage.com/forum/showthread.php?t=196108)

pesquisadorbrazil Nov 22, 2016 9:13 PM

Quote:

Originally Posted by yuri radd (Post 7630251)
Calma gente, o Noroeste mal começou. Essas kits vão sair sim.

Só se for em outro Noroeste, pois nesse não vai sair. Esqueceram a TAC que as construtoras assinaram.:shrug:

MAMUTE Nov 23, 2016 10:31 AM

Codhab reabre inscrições para o concurso de projetos de Santa Maria


Certame vai selecionar a melhor proposta para setor de edifícios de uso misto, com unidades habitacionais e comércio, a ser erguido na região administrativa

Os interessados em participar do concurso nacional de projetos de Santa Maria têm até esta quarta-feira (23) para fazer a inscrição. O prazo foi reaberto na sexta-feira (18) pela Companhia de Desenvolvimento Habitacional do Distrito Fedral (Codhab), em razão de instabilidades na rede.

Previsto no Edital nº 007/2016, o certame se destina a selecionar o melhor projeto para o setor de edifícios de uso misto, com unidades habitacionais e comércio, a ser erguido naquela região administrativa.

Para se inscrever, basta acessar o site da instituição. Os boletos poderão ser pagos até o dia 24. As demais datas do certame não sofreram alterações, e não haverá prejuízo para as etapas subsequentes.

Resultado do julgamento será anunciado em 8 de dezembro
As propostas recebidas serão avaliadas por uma comissão julgadora com base nos seguintes critérios: conceito e inovação; adequação às normas; funcionalidade e atendimento ao programa de necessidades; sustentabilidade socioambiental; acessibilidade, inclusão e adequação sociais.

O resultado do julgamento será divulgado em 8 de dezembro. O ato contará com a presença da coordenação do concurso e de representantes da Codhab e poderá ser acompanhado pela página da companhia no Facebook.







http://www.agenciabrasilia.df.gov.br...e-santa-maria/

pesquisadorbrazil Nov 23, 2016 1:46 PM

Olha eu acho que o governo está compensando os arquitetos que na cidade estão com projetos paralisados pois o GDF não aprova nada privado. E tem escritório que estou sabendo, demitindo.

sxsp Nov 25, 2016 12:06 PM

Quote:

Originally Posted by pesquisadorbrazil (Post 7629935)
O problema condicionante no local é hídrico. Entupir o local com apartamentos de um quarto irá sobrecarregar o Lago Paranoá, tanto com esgotos quanto com abastecimento. E ele condicionou o Noroeste com 40 mil moradores. E do jeito que estava, iria ter 40 mil moradores só com apartamentos de 1 quarto ou kitinete, fora os moradores das superquadras. E ali iria virar um caos que nem o Sudoeste.:tup:

Caos se gera não otimizando os espaços, pois ele muda de lugar. Logo o suposto caos estará no SOF Norte. Questão de capacidade da ETE Norte imagino não ser o maior dos problemas, quanto ao abastecimento de água terá a captação do Lago e bananal. A previsão para ocupação é de longo prazo. Espero que essa elitização acabe com o surgimento de kits.
Outro ponto, Sudoeste não é um caos.

pesquisadorbrazil Nov 25, 2016 5:23 PM

Quote:

Originally Posted by sxsp (Post 7633020)
Caos se gera não otimizando os espaços, pois ele muda de lugar. Logo o suposto caos estará no SOF Norte. Questão de capacidade da ETE Norte imagino não ser o maior dos problemas, quanto ao abastecimento de água terá a captação do Lago e bananal. A previsão para ocupação é de longo prazo. Espero que essa elitização acabe com o surgimento de kits.
Outro ponto, Sudoeste não é um caos.

Não é... O significa a sigla CCSW.... Centro Comercial Sudoeste.... Agora procure algo de comércio ali. E outra, me desculpe, popularizar algo... Uma kit saiu por 1 milhão de reais no Noroeste. Nossa esse que comprou é bem pobre por sinal.:runaway:

sxsp Nov 28, 2016 12:39 PM

Quote:

Originally Posted by pesquisadorbrazil (Post 7633183)
Não é... O significa a sigla CCSW.... Centro Comercial Sudoeste.... Agora procure algo de comércio ali. E outra, me desculpe, popularizar algo... Uma kit saiu por 1 milhão de reais no Noroeste. Nossa esse que comprou é bem pobre por sinal.:runaway:

Uma 1 kitnet para custar 1 milhão, o m² teria de ser 40 mil reais.

MAMUTE Nov 28, 2016 12:59 PM

Conam-DF fará pente-fino na Quadra 500 do Sudoeste

Localizada às margens do Eixo Monumental, a área para fins institucionais, inicialmente da Marinha do Brasil, foi permutada com a construtora Antares. Lá a empreiteira deseja erguer as quadras 500 e 501 do Sudoeste, abrigando 22 prédios residenciais e seis comerciais. Os oponentes ao projeto imobiliário defendem que ali abrigue o Parque das Sucupiras.


https://chicosantanna.files.wordpres...pg?w=469&h=430

Os defensores do meio-ambiente e da preservação do Plano Piloto, em especial do Sudoeste, ganharam mais tempo. O Conselho de Meio-ambiente do DF decidiu fazer um pente fino no processo de liberação da obra do que foi denominado Quadra 500 do Sudoeste.

Localizada às margens do Eixo Monumental, trata-se de uma das últimas manchas originais de cerrado no Plano Piloto; A área para fins institucionais, inicialmente da Marinha do Brasil, foi permutada com a construtora Antares. Lá surgiriam as quadras 500 e 501 do Sudoeste, abrigando, num espaço de 140 mil metros quadrados, 22 prédios residenciais e seis comerciais. Os oponentes ao projeto imobiliário defendem que ali abrigue o Parque das Sucupiras.

O projeto Quadra 500 avança e retrocede há anos nas esferas administrativas do GDF e judiciárias. Agnelo Queiroz e Geraldo Magela quiseram inseri-lo no PPCUB, mas a mobilização social não permitiu.

A Associação Parque Ecológico das Sucupiras (APES) solicitou o cancelamento ou a revisão da licença concedida para o início da obra. Alega que a presença de mais 4.000 novos moradores, uma frota adicional de 3.200 veículos – segundo os cálculos da empreiteira -, sem contar com visitantes e consumidores, iria impactar em demasia o meio-ambiente e a mobilidade urbana, já tumultuada no local. Segundo o secretário do meio-ambiente, André Lima, a autorização pregressa do projeto não foi submetida ao Conselho de Meio-Ambiente do DF e que há indícios de que o projeto foi alterado para abrigar uma população ainda maior, o que levaria obrigatoriamente um novo exame.




https://chicosantanna.wordpress.com/...0-do-sudoeste/

fabiano Nov 28, 2016 2:08 PM

Outro parque? Irônico é ter o maior parque urbano do Planeta bem ao lado. Enquanto isso, locais como Gama, Ceilândia, Santa Maria, dentre outros, não possuem sequer um metro de parque, apenas áreas destinadas a este fim.

Engraçado, não vejo esse tumulto no trânsito do Sudoeste que tanto falam. Tumulto é a EPIA Norte e Sul, DF-001 no Recanto e Taguatinga, saídas de Águas Claras.

yuri radd Nov 28, 2016 4:15 PM

Isso é gente dramática que não consegue perceber o óbvio ululante. Quanto mais adensada uma cidade, menos se precisa de carro.

sxsp Nov 28, 2016 7:25 PM

Quote:

Originally Posted by yuri radd (Post 7635182)
Isso é gente dramática que não consegue perceber o óbvio ululante. Quanto mais adensada uma cidade, menos se precisa de carro.

Exato, maior adensamento, melhor poderá ser o sistema de transporte, sem contar que demandará ainda menos recursos ambientais, principalmente com a verticalização, pois é menos área a ser desmatada, menos gastos com rede esgoto, água, drenagem, dentre outras coisas.
Hoje boa parte dos problemas que a cidade possui é justamente em áreas horizontalizadas, os condomínios horizontais, esses sim fazem que o uso do carro seja indispensável, sem contar que desmatam o cerrado, se gasta muito para implantar um infraestrutura que atende poucas pessoas.
O adensamento, com um controle do gabarito é benéfico, pois consegue preservar a paisagem.
Outro ponto é que esse empreendimento já pagou a compensação urbanística e ambiental se não me engano. A urbanística se não estou errado, foi a implantação da ciclovia do Sudoeste.

pesquisadorbrazil Nov 28, 2016 10:05 PM

Quote:

Originally Posted by sxsp (Post 7635489)
Exato, maior adensamento, melhor poderá ser o sistema de transporte, sem contar que demandará ainda menos recursos ambientais, principalmente com a verticalização, pois é menos área a ser desmatada, menos gastos com rede esgoto, água, drenagem, dentre outras coisas.
Hoje boa parte dos problemas que a cidade possui é justamente em áreas horizontalizadas, os condomínios horizontais, esses sim fazem que o uso do carro seja indispensável, sem contar que desmatam o cerrado, se gasta muito para implantar um infraestrutura que atende poucas pessoas.
O adensamento, com um controle do gabarito é benéfico, pois consegue preservar a paisagem.
Outro ponto é que esse empreendimento já pagou a compensação urbanística e ambiental se não me engano. A urbanística se não estou errado, foi a implantação da ciclovia do Sudoeste.

Concordo contigo, mas adensar com responsabilidade. E não entupir a cidade com kitinetes. Que muitos inventam atender um certo grupo. Só se for de casas de prostituição.

pesquisadorbrazil Nov 28, 2016 10:25 PM

Terracap dá a largada para a criação de dois parques em Águas Claras

http://brasiliadefato.com.br/wp-cont...6/11/aguas.jpg


Empresa assinou contrato de prestação de serviços com o Instituto de Arquitetos do Brasil. Concurso público nacional vai selecionar estudo preliminar para a contratação de projetos de urbanização, arquitetura e paisagismo dos novos espaços comunitários
Agência Brasília

Começa a tomar forma a criação de dois novos espaços comunitários em Águas Claras. A Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap) assinou contrato de prestação de serviços com o Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB) para seleção dos projetos de urbanização, arquitetura e paisagismo dos parques Central e Sul da região administrativa.

A escolha dos projetos será feita por concurso público nacional. Caberá ao instituto mobilizar profissionais de todo o País para apresentação dos estudos preliminares, que servirão de base para a instalação dos parques. O valor do contrato é de R$ 280.260.

O cronograma de trabalho prevê a preparação das bases do concurso, a começar pela elaboração de edital. Ele também inclui a abertura das inscrições e a divulgação do conteúdo em um site criado para esse fim.
Parques trarão mais qualidade de vida à população

Compete ainda ao IAB o recebimento das propostas; o julgamento e divulgação do resultado; a homologação do concurso; e a elaboração do relatório final. A vigência do contrato é de 180 dias, contados a partir de 24 de novembro, podendo ser prorrogados, nos termos da Lei nº 8.666, de 1993.

Os parques Central e Sul de Águas Claras trarão mais qualidade de vida aos moradores da cidade e atenderão a uma demanda antiga. Como proprietária do empreendimento, a Terracap é a responsável pelos projetos que vão subsidiar a criação desses parques, de acordo com o que determina o projeto urbanístico da região administrativa.

Fonte: http://brasiliadefato.com.br/destaqu...-aguas-claras/

MAMUTE Dec 2, 2016 10:16 AM

Ibram emite licença que permite obras de urbanização em Vicente Pires


Licenciamento das glebas 2 e 4 foi concluído. Com a medida, GDF está liberado para implantar melhorias em toda a cidade

Foto: TONINHO TAVARES/AGÊNCIA BRASÍLIA
http://uploads.metropoles.com/wp-con...93541c0e_k.jpg


O Instituto Brasília Ambiental (Ibram) emitiu o licenciamento das glebas 2 e 4 de Vicente Pires. Com a medida, o Governo do DF agora pode emitir escrituras e fazer obras de infraestrutura na região. Até junho, as duas áreas eram de propriedade do governo federal e, por isso, o GDF não podia regularizá-las nem implantar melhorias na região. Naquele mês, as glebas foram transferidas para o Executivo local. Doze mil, dos 80 mil habitantes da região vivem nas glebas 2 e 4.

Com a emissão das licenças, todas a região de Vicente Pires agora estão liberadas para as obras de urbanização anunciadas pelo GDF no ano passado. O projeto prevê drenagem pluvial, pavimentação asfáltica e construção de viadutos, entre outras melhorias. Orçadas em R$ 467 milhões, as obras tiveram início pela gleba 3. A conclusão desta primeira etapa está prevista para 2018.

Nas glebas 1 e 2 está prevista a construção de pontes que interliguem as duas áreas, sobre o córrego Vicente Pires. Os recursos para o projeto são da Caixa Econômica Federal, por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).








http://www.metropoles.com/pelas-cida...-vicente-pires

pesquisadorbrazil Dec 2, 2016 6:40 PM

Piada né, começar as obras em pleno período das chuvas. Irão se lascar todos com isso, vai abrir pistas, vai virar o maior lamaçal e adivinha para aonde vai escorrer a lama.....

yuri radd Dec 2, 2016 7:34 PM

O GDF já fez alguma obra de ampliação de vias, ou retificação de traçado e construção de pontes em Vicente Pires?

MAMUTE Dec 2, 2016 8:25 PM

Quote:

Originally Posted by yuri radd (Post 7640185)
O GDF já fez alguma obra de ampliação de vias, ou retificação de traçado e construção de pontes em Vicente Pires?

Vão construir pontes ligando a Gleba 1 à 2 e as duas entradas de Vicente Pires terão viadutos pela marginal da Estrutural:tup:

http://d3chs8t6vrd83h.cloudfront.net...0hO_MVk-S1.jpg

http://i856.photobucket.com/albums/a...ps6llhvmob.png

pesquisadorbrazil Dec 2, 2016 9:45 PM

Mas para mexer na Estrutural, tem que fazer vias marginais desde a ponte de Aguas Lindas até o viaduto Ayrton Senna.

MAMUTE Dec 10, 2016 5:36 PM

Projeto de iluminação beneficiará população do Tororó


Ordem de serviço para benfeitorias no setor habitacional foi assinada pelo governador de Brasília neste sábado (10). Regularização e infraestrutura também estão previstas para a região

O caminho de casa para o comércio, para a faculdade e para outras regiões administrativas ficará mais fácil e seguro no Setor Habitacional Tororó, em Santa Maria. “Locais que estão no escuro serão iluminados, a regularização agora está mais perto da realidade, tudo isso nos deixa esperançoso”, comemorou a moradora e presidente da Associação de Empreendedores do local, Maria José Feitosa. Na ocasião, na manhã deste sábado (10), o governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, assinou a ordem de serviço para projeto de iluminação do setor.

Serão instalados 2 mil metros de rede de baixa tensão, 50 braços pesados com luminárias, 23 postes de aço curvo de 7,5 metros com luminária e 33 postes de rede aérea. “Essa é uma região muito especial para Brasília, faremos todo o esforço para garantir o crescimento ordenado e com qualidade de vida para essa população”, destacou Rollemberg.

A iluminação começará a ser instalada pela Companhia Energética de Brasília (CEB) ainda nesse mês e a previsão de conclusão é no fim de janeiro. O investimento previsto é de R$562 mil, com verba de emenda parlamentar da deputada distrital Telma Rufino (Pros), que acompanhou a assinatura. O projeto contempla os condomínios Via Green Village e Atlântico Sul, além de complementar a iluminação já existente em outros pontos do setor.

No início da manhã, o governador percorreu as ruas e os condomínios da região para avaliar os serviços públicos prestados.

Regularização e infraestrutura no Setor Habitacional Tororó

Durante o evento, houve a entrega simbólica de reparos feitos em parceria do governo com a sociedade. Por meio de arrecadação da Associação de Empreendedores do Tororó, a Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap) cascalhou 13 quilômetros de vias no setor habitacional.

Também foram instaladas 30 bacias de contenção e 30 quebra-molas. “O governo sozinho, às vezes, não é capaz de enfrentar todos os desafios com a rapidez que a população precisa”, avaliou Rollemberg. “Ficamos muito gratos com essa parceria e trabalhamos para garantir outras benfeitorias na região como a macrodrenagem e a duplicação de vias de acesso”, adiantou.

O Instituto Brasília Ambiental (Ibram) também entregou a licença ambiental para o condomínio Santa Felicidade, um dos 24 mapeados na região. O documento é essencial para iniciar a regularização dos terrenos. De acordo com o Ibram, quatro já estão com a licença expedida e os outros 20 estão em processo.

Também participaram do evento os secretários de Infraestrutura e Serviços Públicos, Antônio Raimundo Santos Ribeiro Coimbra, das Cidades, Marcos Dantas, e de Gestão do Território e Habitação, Thiago Teixeira de Andrade; o chefe da Casa Militar, coronel Cláudio Ribas; os presidentes do Ibram, Jane Vilas Bôas, e da Agência de Desenvolvimento do DF (Terracap), Júlio César de Azevedo; os diretores presidentes da Novacap, Júlio Menegotto, e da CEB, Ari Joaquim da Silva; e o administrador de Santa Maria, Hugo Gutemberg Correia Monteiro Da Silva.










http://www.agenciabrasilia.df.gov.br...cao-do-tororo/

pesquisadorbrazil Dec 10, 2016 11:19 PM

Piada né, parceria aonde? Nem com a grana dos empreededores que querem construir ali, o governo não duplica a rodovia, no dia que morrer alguém do alto escalão. Aí eles tomam vergonha. Agora enquanto os pobres morrem, vai continuar com pistão simples.

MAMUTE Dec 12, 2016 7:10 PM

PROJETO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO PODE DESCONFIGURAR BRASÍLIA


LUOS, COMO É CHAMADA, DEVE TRANSFORMAR ÁREAS VERDES EM COMÉRCIO

FOTO: DÊNIO SIMÕES/AGÊNCIA BRASÍLIA
http://www.diariodopoder.com.br/styl...i%CC%81lia.jpg
O NOVO PROJETO EM CONSTRUÇÃO NO GDF ESTÁ ENFRENTANDO CRÍTICAS.


Um suposto equívoco do Governo do Distrito Federal sobre a destinação de uma área pública às margens da Ponte JK causou receio e indignação em moradores do Lago Sul. Em reunião no último 23 de novembro para debater a Lei de Uso e Ocupação do Solo (Luos), o local reservado para a construção do Parque Nelson Mandela foi apresentado como possível sede de comércios e empresas. O anúncio provocou alvoroço da comunidade.

O terreno em questão, de aproximadamente 124 mil m², fica próximo à QL 24 e à Ponte JK, e deveria ser transformado no parque, segundo acordo firmado entre GDF e governo federal em fevereiro do ano passado. No espaço, está prevista a construção do Museu Nacional da Cultura Afro-Brasileira.

Entretanto, na apresentação do GDF do dia 23, o local estava classificado como “Comercial, Prestação de Serviços, Institucional e Industrial (CSII)”, com possibilidade de utilização para estes fins. A informação consta no próprio portal do projeto da Luos, que apresenta o mapa reproduzido abaixo. Segundo os parâmetros da lei, tal categoria poderia abrigar lojas, escritórios e outros empreendimentos.

O novo projeto em construção no GDF que está enfrentando críticas pretende criar regras para uso e ocupação de solo. A proposta foi enviada em 2013 à Câmara Legislativa do DF, mas enfrentou resistência, forçando o atual governo a retirar a pauta e criar outro para tentar passar à revelia.

A ideia está sendo discutida na Secretaria de Gestão do Território e Habitação. Segundo a pasta, a Luos define os usos e atividades que podem ser desenvolvidos nos lotes das áreas urbanas que abrange, bem como os índices urbanísticos que as edificações nesses lotes devem atender, tais como altura, afastamentos, área máxima de construção, taxa de permeabilidade. "Esse tipo de definição é importante para garantir que as construções residenciais, comerciais ou industriais estejam em conformidade com o planejamento urbano para cada região administrativa incluída na Luos", garante a secretaria.

Para o presidente da Associação Amigos do Lago Paranoá (Alapa), Marconi de Souza, a Luos pode desfigurar Brasília. "Eu cheguei aqui em 1964. Tinha 150 mil habitantes. Desde sempre é uma cidade projetada. Quando Lucio Costa fez Brasília fez tudo por setores. Isso é muito bacana. É uma cidade diferente e prática. Há setores para hotéis, hospitais, comércio. Agora o governo quer implantar 'goela abaixo' ao longo da orla uma área turística, na QL 12. Isso é vergonhoso".

"O governo não teve competência para criar setores residenciais para vender lotes para o povo e hoje temos mais de 500 condomínios irregulares porque o governo não observou, não teve agilidade para isso", critica.

Outro ponto negativo apontado pelo morador é a audiência pública realizada pelo governo para supostamente ouvir a população. "Essas audiências não têm poder de notificar. Apenas complementam. É lei que o GDF é obrigado a cumprir. Nessas audiências a opinião da sociedade não modifica as coisas, a proposta", diz. "Essas audiências são tudo para dar legitimidade. mas a opinião do povo não é ouvida", completa.

"Nós não devemos destruir a cidade com essa Luos. A nossa salvação é ir depois na Câmara Legislativa do DF 'trabalhar os deputados'", disse. O texto, depois de passar pela Casa Civil, seguirá para a CLDF.

Na Câmara, o projeto deve ser analisado pela Comissão do Meio Ambiente, atualmente presidida pelo deputado Cristiano Araújo (PSD). O distrital adiantou ao Diário do Poder que é favorável à lei. "Ela é legalmente necessária. A cidade é dinâmica, vai se desenvolvendo. As normas têm muito importância para definir o eixo da cidade. Ela vai ajudar a organizar os condominios e novas áreas", comenta.

O deputado acredita que sobre a abertura para especulação imobiliária, 'sempre vai ter alguém que vai ganhar em detrimento de alguma mudança'. "A gente pode entender que houve especulação, mas também precisamos entender que a cidade mudou e precisa avançar. O Park Way, hoje, por exemplo, não tem comércio, academia, drogaria... Já na Asa Sul tem tudo. Se o comércio tem à disposição para que se faça um comércio eu não vejo prejuízo nisso. Temos que olhar com maturidade esse projeto. A gente tem que encarar. Não podemos ficar presos a uma questão conceitual", declara.

Em relação às audiências públicas em que a população não é ouvida, Cristiano Araújo é enfático: "Se o governo não ouve a população, eu não posso fazer nada. Eu ouço sempre".

Para Célio Melis Jr., conselheiro do Instituto de Arquitetura do Brasil no DF (IAB-DF), que está acompanhando o texto junto ao GDF, a proposta é bem vinda, mesmo enfrentando críticas da sociedade. "O projeto ainda está no início da discussão. Há muita estrada pela frente. A gente está observando que há uma intenção do governo de tentar arrumar todo o arcabouço legal de planejamento urbano do DF. A Luos vem ajudar nessa construção", disse.

Mais um

Criado na última quinta-feira (8) por decreto, o projeto Orla Livre quer a participação popular. Pelo site www.orlalivre.df.gov.br, qualquer morador pode enviar sugestões de como ocupar a orla do Lago.

O plano estabelece ações de curto, médio e longo prazos. Uma delas, em andamento, é a construção da trilha de 14 quilômetros que vai do Parque da Asa Delta, na QL 12 do Lago Sul, ao Deck Sul. Ela é toda pavimentada, sinalizada e será dividida entre ciclistas e pedestres. Ainda estão previstos banheiros públicos, postes de iluminação e revegetação. As obras estão a cargo da Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap) e vão custar em torno de R$ 3 milhões.






http://www.diariodopoder.com.br/noti...?i=70378580872


All times are GMT. The time now is 11:20 AM.

Powered by vBulletin® Version 3.8.7
Copyright ©2000 - 2021, vBulletin Solutions, Inc.