SkyscraperPage Forum

SkyscraperPage Forum (https://skyscraperpage.com/forum/index.php)
-   Regiões Metropolitanas Mundiais (https://skyscraperpage.com/forum/forumdisplay.php?f=688)
-   -   Parcelamentos Urbanos e Rurais no Distrito Federal - movimentos do setor (https://skyscraperpage.com/forum/showthread.php?t=196108)

ccv May 30, 2015 10:13 AM

Antes do parque LINEAR, ainda tem o central e sul. Duvido q saia o LINEAR. Se o rollemberg implantar o central, isso já será uma grande vitória. O MP tá querendo é dar uma pressionada no governo. A decisão mais importante é a q proíbe novas construções enquanto o projeto não for revisto. Essa sim dará resultado. A decisão em relação aos parques não aplicou nenhuma sanção caso não seja observada. Ou seja, dificilmente será cumprida.

pesquisadorbrazil Jun 1, 2015 2:26 AM

E por falar em projetos....

RTKL Associates Inc., Miami, FL, US, Architect - Senior Designer - 2014
Airport shopping mall / Brasilia (Brazil) / Feasibility Study

Te prepara Park Shopping e Iguatemi Shopping, forte concorrente prestes a dar as caras esse ano...

ccv Jun 1, 2015 4:30 PM

Quote:

Originally Posted by pesquisadorbrazil (Post 7045937)
E por falar em projetos....

RTKL Associates Inc., Miami, FL, US, Architect - Senior Designer - 2014
Airport shopping mall / Brasilia (Brazil) / Feasibility Study

Te prepara Park Shopping e Iguatemi Shopping, forte concorrente prestes a dar as caras esse ano...

Vc tem mais detalhes????

pesquisadorbrazil Jun 2, 2015 12:58 AM

Quote:

Originally Posted by ccv (Post 7046482)
Vc tem mais detalhes????

Eu já havia antecipado isso antes, como o projeto da AECOM ficou pesado demais, a RTKL suavizou o projeto para se adequar até a farsa que o lugar é tombamento.:rolleyes:

alexandresena Jun 4, 2015 8:36 PM

Quote:

Originally Posted by ccv (Post 7044606)
Antes do parque LINEAR, ainda tem o central e sul. Duvido q saia o LINEAR. Se o rollemberg implantar o central, isso já será uma grande vitória. O MP tá querendo é dar uma pressionada no governo. A decisão mais importante é a q proíbe novas construções enquanto o projeto não for revisto. Essa sim dará resultado. A decisão em relação aos parques não aplicou nenhuma sanção caso não seja observada. Ou seja, dificilmente será cumprida.

No Facebook, a Administração Regional fala que vai começar a urbanização dos Parques Central e Sul:

https://www.facebook.com/adm.aguascl...type=1&theater

pesquisadorbrazil Jun 5, 2015 12:12 AM

Como irá fazer a urbanização que vai começar um boicote das empreiteiras contra o GDF... Vai terminar a Novacap tendo que colocar as mãos na massa.

MAMUTE Jun 6, 2015 1:39 PM

Grande Colorado: condomínios aprovados, mas moradores não têm escrituras




Seis áreas residenciais da região foram liberadas pelo Conselho de Planejamento do DF na última semana, mas alguns moradores não concordam com a administração dos terrenos pela Urbanizadora Paranoazinho e pretendem recorrer à Justiça para conseguir as escrituras


Seis condomínios da região do Grande Colorado foram aprovados pelo Conselho de Planejamento Territorial do Distrito Federal (Conplan) na última semana, mas os moradores estão longe de receber a escritura da casa onde vivem. Eles não fecharam acordo com a Urbanizadora Paranoazinho, dona e responsável pelo processo de regularização da área. Cada parcelamento já teve decreto de regularização assinado no ano passado pelo ex-governador do DF Agnelo Queiroz, com vencimento em 14 de junho. A Secretaria de Gestão do Território e Habitação (Segeth) informou, no entanto, que fará um novo decreto com mais seis meses de validade.

Os moradores não querem fechar o acordo porque questionam a forma como a urbanizadora conduziu o processo de regularização. Síndico do condomínio Jardim Europa II, Carlos Cardoso reclama da falta de participação da comunidade nas discussões sobre o projeto urbanístico. “Alguns pontos foram elaborados de forma unilateral, não levaram em consideração a opinião de quem mora lá”, comenta.

Além do Jardim Europa II, ele afirma que o Jardim Europa e o Vivendas Colorado I e II também não pretendem chegar a um consenso com a urbanizadora. “Não somos contra a regularização, mas temos que fazer parte da discussão e apresentar nossas necessidades”, avalia Carlos. Também correm na Justiça ações de usucapião contra a empresa, questionando a propriedade da área.

Prioridade

O foco da Urbanizadora Paranoazinho serão os processos em que há consenso com os moradores, como o caso dos condomínios Solar de Athenas e o Mansões Colorado. “Tentamos aproximação para tirar dúvidas e concluir o processo, mas, sem chegar a um consenso, não adianta levar isso adiante. Vamos priorizar as demandas dos condomínios onde houver conciliação”, explica o presidente da urbanizadora, Ricardo Birmann.









http://www.correiobraziliense.com.br...escritur.shtml

pesquisadorbrazil Jun 6, 2015 1:51 PM

Ainda há um longo caminho para o povo ter as escrituras nas mãos, primeiro serão os condominios em áreas particulares e depois os demais.

MAMUTE Jun 17, 2015 9:21 PM

JUSTIÇA VAI JULGAR LIMINAR QUE PARALISOU A DESOCUPAÇÃO DA OLRA DO LAGO PARANOÁ



ASSOCIAÇÃO RECORREU CONTRA ANÚNCIO DO GDF E MP SOBRE DERRUBADAS


http://www.diariodopoder.com.br/styl...%20paranoa.png
A AÇÃO DE DERRUBADA ESTAVA PREVISTA PARA COMEÇAR EM 15 DE MAIO



Na próxima semana a Justiça vai decidir sobre ocupações na orla do Lago Paranoá. A liminar que paralisou as operações de desocupação será julgada pela 3ª Turma Cível do Tribunal de Justiça do DF e dos Territórios. A Associação dos Amigos do Lago Paranoá (Alapa) recorreu, em abril, contra ação do Ministério Público e do GDF, que haviam anunciado a derrubada de muros e cercas de residências localizadas na orla.

Segundo a Alapa, os moradores são parte diretamente afetada pela ação de desocupação e não foram ouvidos no processo judicial. Outro argumento que fundamentou o recurso foi o de que decreto local não pode contrariar o que dispõe o Código Florestal, eis que é uma lei federal. A ação de derrubada estava prevista para começar em 15 de maio.












http://www.diariodopoder.com.br/noti...?i=34206670702

pesquisadorbrazil Jun 18, 2015 2:32 PM

Espero que a liminar venha cair...

MAMUTE Jun 24, 2015 10:53 AM

Governo concede terra para comunidade cigana no DF


Assinatura do termo de cessão será nesta quarta (24), às 10h, no Bloco A da Esplanada dos Ministérios


Os governos de Brasília e federal assinam nesta quarta-feira (24), às 10h, no auditório do subsolo do Bloco A da Esplanada dos Ministérios, termo de cessão de imóvel para abrigar os ciganos da etnia Calon.

Pelo acordo, o governo federal concede o terreno e o governo de Brasília assume a responsabilidade de instalar a infraestrutura – água, luz, esgoto e demais equipamentos públicos. Esse modelo de cessão, para o assentamento de uma comunidade cigana, é inédito no País.

Serão cedidas duas glebas que integram a área da antiga fazenda Sálvia, no Núcleo Rural Córrego do Arrozal, em Sobradinho, cidade localizada a cerca de 20 km do Plano Piloto – a primeira de 2,2 hectares, ocupada por 87 pessoas, e a segunda, de 3,5 hectares, com mais 70 pessoas, todas de origem cigana.

Os Calon começaram a se estabelecer no local a partir de 2009 e, desde então, lutam pelo direito à terra e por melhores condições de vida. A comunidade, que enfrenta várias formas de discriminação, sobrevive por meio de criação de porcos e galinhas e cultivo de milho, mandioca e feijão, além de manter as suas tradições culturais de dança e música.

A cessão da terra faz parte da preocupação dos governos de Brasília e federal de garantir a preservação da cultura e hábitos de populações tradicionais que vivem no território brasileiro e sofrem algum tipo de preconceito.

Estarão presentes no ato a secretária de Políticas para as Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos do DF, Marise Nogueira, representando o governo de Brasília, a secretária nacional do Patrimônio da União, Cassandra Maroni Nunes, o superintendente regional da SPU no DF, Sergio Gonçalves, o secretário-executivo da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir-PR), Giovanni Harvey, e dirigentes da Associação da Comunidade da Etnia Calon no DF.













http://www.gamalivre.com.br/2015/06/...dade.html#more

MAMUTE Jun 24, 2015 11:56 AM

Juiz reconhece empresa como a dona do terreno em condomínio ilegal



Decisão pode nortear moradores de outros parcelamentos que apostavam no tempo de permanência como critério de posse


A Justiça negou pedido de usucapião a moradores de um condomínio no Grande Colorado, em Sobradinho. O grupo ingressou com a ação em 2012 para discutir a propriedade da área, registrada em cartório pela Urbanizadora Paranoazinho (Upsa). Em 2007, a empresa comprou o terreno com 54 parcelamentos irregulares dos herdeiros de José Cândido de Souza, um dos maiores latifundiários da região. Na sentença, o juiz Carlos Frederico Maroja de Medeiros entendeu que a associação de moradores do Solar de Athenas não cumpria os requisitos legais para caracterizar o usucapião.


O juiz reconheceu também a Urbanizadora Paranoazinho como a dona do terreno. Para ele, a associação que ingressou com a ação não representou o interesse de todos os moradores. Isso porque parte das pessoas que vivem no Solar de Athenas decidiu fechar acordo com a empresa e receber a escritura da casa. Além desse condomínio, outros 16 parcelamentos têm ação coletiva de usucapião contra a Upsa. Desde o registro da área, somente os moradores do Vivendas Friburgo fecharam acordo com a empresa e receberam o documento de posse do terreno onde vivem.

Para a presidente da União dos Condomínios e Associações de Moradores no DF (Única-DF), Júnia Bittencourt, a negativa da Justiça ao pedido de usucapião pode nortear a decisão dos moradores de outros parcelamentos irregulares. “A gente imagina que toda pessoa que ocupa área particular tem esse direito, mas a gente aguardava um posicionamento da Justiça. E essa sentença pode mostrar uma tendência do Judiciário. Agora, podemos nos orientar para saber se vamos continuar buscando essa solução ou se vamos nos sentar e discutir”, disse.











http://www.correiobraziliense.com.br...o-ilegal.shtml

Jota Jun 24, 2015 3:52 PM

Quote:

Originally Posted by MAMUTE (Post 7073492)
Governo concede terra para comunidade cigana no DF


Assinatura do termo de cessão será nesta quarta (24), às 10h, no Bloco A da Esplanada dos Ministérios


Os governos de Brasília e federal assinam nesta quarta-feira (24), às 10h, no auditório do subsolo do Bloco A da Esplanada dos Ministérios, termo de cessão de imóvel para abrigar os ciganos da etnia Calon.

.....

http://www.gamalivre.com.br/2015/06/...dade.html#more


Pronto agora temos quilombolas ciganos.....

Mas ciganos não são por definição nômades? :haha:

Jota Jun 24, 2015 3:56 PM

Quote:

Originally Posted by MAMUTE (Post 7073529)
Juiz reconhece empresa como a dona do terreno em condomínio ilegal



Decisão pode nortear moradores de outros parcelamentos que apostavam no tempo de permanência como critério de posse

....
http://www.correiobraziliense.com.br...o-ilegal.shtml

Para configurar usucapião seria necessário que se configurasse que os proprietários abandonaram o terreno ou não tomaram nenhuma medida para retoma-lo.

Oras se o negocio esta na justiça desde que surgiu a ocupação é obvio que o doo original não a "abandonou" portanto os moradores podem por a conversa de usucapião no saco...

MAMUTE Jun 28, 2015 11:34 AM

Regularização de condomínios no DF volta à estaca zero

Todo o processo recomeçou com a transição do governo do Distrito Federal

Foto: Myke Sena
https://jbr-arquivos-online.s3.amazo...0627232123.JPG




Com o novo governo, promessas sobre a regularização fundiária no Distrito Federal foram renovadas. Atualmente, mais de 300 parcelamentos e 49,7 mil famílias aguardam uma definição, mas, até o momento, entraves burocráticos atrasam o processo.

Segundo a Secretaria de Gestão do Território e Habitação (Segeth), entre novembro e dezembro de 2014, durante a transição de governo, o Conselho de Planejamento Territorial e Urbano (Conplan) limpou sua pauta e colocou como prioridade os ocupamentos irregulares mais próximos da legalização.

Aprovações

De lá para cá, foram aprovados os parcelamentos do Paranoá, do condomínio Marisol, em Planaltina, e de três áreas no Jardim Botânico: Ville de Montaigne, Solar de Brasília e Jardim dos Eucaliptos. O processo regularizará cerca de 8,3 mil lotes e 27 mil pessoas.

No entanto, até que os moradores recebam suas escrituras, um longo caminho precisa ser percorrido. No governo passado, inúmeros decretos de regularização fundiária também foram expedidos. Mas, além de estarem vencidos, eles não passaram pela aprovação do Conplan. De acordo com a Segeth, sem este trâmite, o processo fica “inseguro legalmente”, de modo que terá que voltar ao conselho para a expedição de um novo decreto, o que só deve ocorrer no fim deste ano.

Comissão

Durante a campanha, o governador Rollemberg se comprometeu a criar uma comissão temática de transição voltada para a questão fundiária e ambiental, bem como a incluir nela um representante dos condomínios para ajudar na produção de um diagnóstico detalhado sobre a real situação dos parcelamentos em processo de regularização. Mas esse projeto também não saiu do papel ainda.

“Não há previsão para o grupo mencionado”, admite a Segeth. Sobre um representante, a pasta diz que “há membros dos condomínios participando do Conplan, o que lhes confere o direito de acompanhar e opinar no desenrolar do processo, como sempre aconteceu”.

Governo muda linha de atuação

Júnia Bittencourt, presidente da União dos Condomínios Horizontais e Associações de Moradores do DF (Única-DF), diz que o atual governo mudou a linha de atuação anterior, onde havia vários grupos de discussão sobre o tema, e concentrou tudo na Segeth. Mas o andamento dos processos permanece lento e tem causado insatisfação.

“Não há consonância entre os interesses dos moradores e do governo. O ideal é que fosse analisado caso a caso. Quem quer construir ou está tendo suas casas derrubadas fica preocupado em legalizar sua situação, mas os demais não se importam muito ou porque querem discutir ações de usucapião ou porque estão em terras públicas e vão ter que pagar mais”, analisa.

Júnia diz não acreditar no número de parcelamentos passíveis de regularização apresentado pela Segth, cerca de 300. “Contestamos esse número porque não retrata a realidade. Em Vicente Pires, por exemplo, eles contabilizam três parcelamentos, mas há muitos outros. Se contarmos ocupações menores em Arniqueiras e outras no Gama, deve passar de 1 mil”.

Aumento inviabiliza moradia

Sobre os decretos expedidos no governo passado e que venceram, Júnia Bittencourt observa que a situação vai além da questão burocrática. “Todo governo que entra busca rever alguma coisa no processo para tomar para si o bônus da regularização, mas só vai alcançar quem conseguir chegar ao fim nas escrituras”, declara.

Júnia é moradora e síndica do condomínio irregular Vivendas Lago Azul, no Grande Colorado. Ele foi criado em 1989 e, por pertencer à Terracap, as 174 residências passaram a pagar uma taxa de ocupação – correspondente a 5% do valor total das terras ocupadas - desde 1993.

Aumento anual

Segundo a síndica, com o aumento anual dos valores fica inviável viver no local. “Além da taxa de ocupação, majorada em 462% em relação ao ano passado, devido a uma mudança na base de cálculo, pagamos água e esgoto particulares, luz e Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU). Mais de R$ 90 mil só com manutenção”, reclama. “Cada morador gasta cerca de R$ 5 mil com taxa de ocupação por ano. O curioso é que outras invasões, como Vicente Pires, nunca pagaram esse encargo”, completa.

O mesmo ocorre com o condomínio ao lado, o Vivendas Bela Vista, onde os moradores não querem perder qualidade de vida e pleiteiam taxas que se adequem a sua capacidade financeira, confirma o síndico Clerto Pontes.


Moradores X MP

De acordo com Júnia, todos os moradores dos dois condomínios querem a regularização, mas o Ministério Público determina que a legalização deve ser feita por setor habitacional (gleba). “Só que nem todos os moradores da região são favoráveis a esse modelo de regularização. Lutamos na Justiça pelo direito de ter nossa situação avaliada separadamente”, explica.

Fonte: Da redação do Jornal de Brasília












http://www.jornaldebrasilia.com.br/n...a-estaca-zero/

pesquisadorbrazil Jun 29, 2015 12:28 AM

Eu avisei que estaria vivo para ver USUCAPIÃO DE TERRAS PÚBLICAS, se isso se concretizar, estamos ferrados.

MAMUTE Jul 14, 2015 9:50 AM

Empresa global busca parcerias locais para desenvolver regiões do DF

A ideia é construir um complexo com hospitais, escolas, shopping, prédios, casas, hotéis e comércio na região da DF-140, próximo ao Jardim Botânico, condomínios do Lago Sul, São Sebastião e Jardins Mangueiral

Foto: Raphael Ribeiro
https://jbr-arquivos-online.s3.amazo...0714000654.JPG



Engana-se quem pensa que Brasília não tem mais para onde crescer. Apesar de não poder progredir verticalmente na área central por causa do tombamento, as regiões próximas demonstram potencial de desenvolvimento econômico e social.

Para esse potencial prosperar, as empresas locais Gomes Figueiredo Arquitetura Urbanismo e Consultoria e Compensar Participações se uniram à global VOA Arquitetura e Desenvolvimento Urbano (empresa americana de design arquitetônico mundial). A ideia é construir um complexo com hospitais, escolas, shopping, prédios, casas, hotéis e comércio na região da DF-140, próximo ao Jardim Botânico, condomínios do Lago Sul, São Sebastião e Jardins Mangueiral.

Início em 2012

O projeto, que começa a ganhar contornos mais palpáveis, teve início em 2012, em reuniões de arquitetos e empresários em Orlando, sede da VOA. O local na DF- 140 para projetos de desenvolvimento econômico foi aprovado pelo Plano Diretor de Ordenamento Territorial (PDOT), que prevê a destinação da área, que não é mais de classificação rural, para abrigar o novo polo de desenvolvimento, desinchando a parte sul da cidade (mais para o lado do Gama e Taguatinga, Ceilândia e Samambaia).

Benfeitorias

Grande parte da região de mais de 2 milhões de metros quadrados é de proprietários particulares, que, se tiverem interesse, poderão entrar como investidores nos novos empreendimentos locais.

“É um negócio bom para todo mundo”, explica o vice-presidente da VOA para a América Latina, o engenheiro civil Miguel Kaled. Ele afirma que a intenção é que as ações gerem mais circulação de dinheiro para a região, com benfeitorias para quem vive nas proximidades, que carece de opções de lazer e entretenimento, além de serviços de qualidade.

Complexo prevê união dos esforços

O complexo vai comportar cerca de 900 mil pessoas. A projeção leva em conta o crescimento ao longo dos próximos 20 ou 30 anos. “Vamos prestigiar o proprietário da terra e o empresário local, além de incluir empresas internacionais, com soluções simples e eficientes para problemas profundos, com todo o conhecimento na área de design e expertise no ramo”, explica Alessandro Machado, da Compensar.

A previsão do grupo é que as obras comecem nos próximos três anos. “Eles estão vindo com a ideia, o design e a experiência, e nós vamos trazer o parceiro local dono da terra para implantar os empreendimentos”, destaca Karla Figueiredo, da Gomes Figueiredo Arquitetura e Urbanismo.

Deslocamentos

“Desenvolvimento urbano quer dizer novas moradias. E, antes dessas moradias, emprego. E escolas, supermercados, lojas, hospitais, divertimento. Ou seja, criar outro núcleo, fora do Plano Piloto, que é tombado e não permite crescimento vertical, como ocorre em outros lugares”, explica Miguel Kaled. As características locais, como a alta renda per capita, permitem, por exemplo, esses deslocamentos, segundo o especialista.

A atual crise econômica brasileira não assusta o grupo. “Nesses momentos, você se esforça mais para chegar a um resultado melhor. Tudo que é imobiliário demora. Então, você tem que pensar para frente”, complementa Kaled. Ele destaca que Brasília é alvo de estudos científicos nos Estados Unidos por suas características peculiares de urbanismo e sociedade.






http://www.jornaldebrasilia.com.br/n...regioes-do-df/

pesquisadorbrazil Jul 14, 2015 4:00 PM

Eu já vi um esboço do projeto, vai surpreender o povo... e vai deixar os arquitetos e urbanistas modernistas putos da vida é claro...... E como eu falei, essa VOA leia-se RTKL, projetou o Alphaville e está encarregada de projetar o novo masterplan no AIJK. Fora o Alvorada Power Center, o maior complexo comercial da América Latina em frte de Luziânia... Masi outras coisas que no momento não posso revelar.

MAMUTE Jul 16, 2015 10:24 AM

Moradores do Setor Noroeste, no DF, reclamam da falta de infraestrutura



Bairro dito 'ecológico' não tem asfaltamento, ciclovias e paradas de ônibus Área sofre com desvalorização; Terracap diz que vai retomar licitação.


Moradores do Setor Noroeste, no Distrito Federal, reclamam que a região anunciada como "planejada e ecológica" ainda sofre com problemas de infraestrutura. Imagens feitas pela TV Globo nesta quarta-feira (15) mostram que muitas ruas ainda não receberam asfalto. As ciclovias foram construídas, mas não têm interligação e terminam em bolsões de terra.

"É difícil, porque não tem passagem para a gente andar com os carrinhos [de bebê]", diz a babá Vanusa Leal Silva. Sem a área de pedestres, ela diz que precisa dividir a rua com os carros que passam em alta velocidade.

O asfalto não tem pintura de sinalização, e a falta de vagas para estacionamento faz com que caminhões e caçambas parem no meio da rua. Em resposta à TV Globo, a Terracap afirmou que fará uma "sinalização emergencial" nos próximos 30 dias.

As promessas feitas pelas imobiliárias, antes mesmo do início das obras, elevaram o preço do metro quadrado para R$ 10 mil, um dos mais altos do país. Segundo a associação de moradores, esse valor caiu por causa da falta de urbanização.

"Quando se vendia, diziam que estaríamos comprando não uma unidade isolada, mas uma unidade dentro de um bairro", diz o vice-presidente da associação, Luiz Alberto Martins. Hoje, o Noroeste tem 39 prédios ocupados e cerca de 8 mil moradores, segundo dados da Codeplan.

Parque parado

Outra promessa antiga para o Noroeste, o Parque Burle Marx teve as obras paradas em 2013. O Tribunal de Contas do DF encontrou irregularidades no contrato da construtora e, até esta quarta, nenhuma máquina tinha voltado a atuar no matagal.

Segundo a Terracap, os esclarecimentos sobre a licitação já foram encaminhados ao tribunal. Uma nova licitação foi proposta para concluir as obras, mas ainda não há manifestação da corte sobre o tema.









http://g1.globo.com/distrito-federal...estrutura.html

MAMUTE Jul 16, 2015 10:25 AM

As construtoras só entregando os prédios e Infraestrutura que é bom? Nada!


All times are GMT. The time now is 6:33 PM.

Powered by vBulletin® Version 3.8.7
Copyright ©2000 - 2021, vBulletin Solutions, Inc.