HomeDiagramsDatabaseMapsForum About
     

Go Back   SkyscraperPage Forum > Regional Sections > América Latina > Brasil > Infraestrutura & Transporte


Reply

 
Thread Tools Display Modes
     
     
  #101  
Old Posted Jul 13, 2012, 11:45 PM
MAMUTE's Avatar
MAMUTE MAMUTE is offline
...
 
Join Date: Nov 2010
Location: Brasília
Posts: 13,349
Isso por que não tem demanda, segundo alguns por ai
__________________
Concordou? Comente! Gostou? Comente! Discordou? Comente! Deixe sua Opinião!

Cadastre-se e Comente!
Reply With Quote
     
     
  #102  
Old Posted Jul 17, 2012, 1:26 PM
pesquisadorbrazil's Avatar
pesquisadorbrazil pesquisadorbrazil is offline
LLAP
 
Join Date: May 2011
Location: Brasília DF
Posts: 23,379
Quote:
Originally Posted by MAMUTE View Post
Isso por que não tem demanda, segundo alguns por ai
Os pseudos especialistas do outro forum que afirmavam isso, os caras nem sabem distinguir finger de estacionamento remoto.
Reply With Quote
     
     
  #103  
Old Posted Jul 19, 2012, 2:59 PM
pesquisadorbrazil's Avatar
pesquisadorbrazil pesquisadorbrazil is offline
LLAP
 
Join Date: May 2011
Location: Brasília DF
Posts: 23,379
Quote:
Originally Posted by MAMUTE View Post
Isso por que não tem demanda, segundo alguns por ai
Eu posso estar enganado, mas pelo andar da carruagem, o terminal de Brasília, serão semelhante ao aeroporto de Singapura, aonde os futuros terminais de Brasília, serão expandidos para cima das concessionárias de veículos e o mesmo ocorrendo do outro lado, em cima daquele hangares bem como do terminal 2.
Reply With Quote
     
     
  #104  
Old Posted Jul 23, 2012, 2:49 PM
HLbsb's Avatar
HLbsb HLbsb is offline
Registered User
 
Join Date: Sep 2011
Posts: 402
ANAC autoriza início dos trabalhos no aeroporto de Brasília

Brasília, 23 de julho de 2012 – A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) publicou nesta segunda-feira (23/07) o extrato da Ordem de Serviço do aeroporto de Brasília, concedido à administração da iniciativa privada. A emissão do documento foi feita antes do término do prazo previsto nos contratos de concessão dos aeroportos.

A Ordem de Serviço é um documento emitido e publicado pela ANAC que autoriza as concessionárias a iniciar a fase de transferência das operações e a fase de ampliação do aeroporto, para adequação da infraestrutura e melhoria do nível de serviço. Esse documento é exigido para a eficácia do contrato e demais obrigações contratuais. Para a emissão da Ordem de Serviço, foi solicitado à concessionária a comprovação da contratação das apólices de seguro que garantem a continuidade e eficácia das operações realizadas no aeroporto.

Após a emissão da Ordem de Serviço, a concessionária tem 10 dias para apresentar o Plano de Transferência Operacional (PTO) à ANAC - que terá 20 dias para analisar e emitir parecer (favorável ou não) ao documento. Com a aprovação, a operação do aeroporto é feita pela Infraero com acompanhamento da concessionária, o que pode durar até três meses. Após este prazo, a operação dos aeroportos passa a ser de responsabilidade das concessionárias, cabendo a elas a obrigação de executar as atividades previstas e, em especial, constituir o Comitê de Transição, treinar e mobilizar mão-de-obra e adquirir os materiais necessários para iniciar as atividades do aeroporto.

Obras
Para o início das obras, a ANAC analisa o Projeto Básico. Esse documento é produzido pela concessionária, que visa comprovar a capacidade de atendimento dos requisitos previstos no Plano de Exploração Aeroportuária (PEA). O Projeto Básico deve ser apresentado no prazo de até 90 dias após a emissão da Ordem de Serviço.

Atualização tarifária
A atualização monetária das tarifas aeroportuárias, estabelecida nos Contratos de Concessão dos aeroportos de Guarulhos, Viracopos e Brasília, também é feita após a emissão da Ordem de Serviço. A Decisão N°77, publicada hoje no Diário Oficial, estabelece os critérios para alteração dos valores vigentes, conforme disposto em contrato. As tarifas aeroportuárias terão o valor atualizado após 30 dias, a contar da data de publicação das Decisão. A tarifa de embarque paga pelos passageiros, atualmente em R$ 21,57 para aeroportos de categoria 1, será de R$ 21,14 no aeroporto Juscelino Kubitschek

As tarifas aeroportuárias são valores pagos à concessionária pelas companhias aéreas ou pelo operador da aeronave. Essas tarifas correspondem aos procedimentos de conexão, pouso, permanência, armazenagem e capatazia dentro dos aeroportos. A tarifa de embarque é a única paga pelo passageiro e tem a finalidade de remunerar a prestação dos serviços, instalações e facilidades disponibilizadas pela concessionária.

Conforme previsto no contrato, a atualização monetária deverá considerar o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acumulado no período compreendido entre a publicação do Edital e a emissão da Ordem de Serviço. Os demais reajustes ocorrerão anualmente a partir desta data. Destaca-se que este reajuste incide sobre as tarifas previstas no Edital do Leilão nº 02/2011, publicado em 15 de dezembro de 2011.

A atualização das tarifas aeroportuárias tem como objetivo preservar o equilíbrio econômico-financeiro estabelecido no contrato. Os valores das tarifas dos aeroportos de Guarulhos, Brasília e Viracopos ficarão abaixo do valor praticado pelos demais aeroportos de categoria 1 do País. Essa diferença ocorre por conta do reajuste feito pela ANAC, por meio da resolução N°216/2012, publicada no início deste ano.

Fonte
Reply With Quote
     
     
  #105  
Old Posted Jul 24, 2012, 8:22 PM
pesquisadorbrazil's Avatar
pesquisadorbrazil pesquisadorbrazil is offline
LLAP
 
Join Date: May 2011
Location: Brasília DF
Posts: 23,379
Veremos enfim se aquela imagem postada antes seja apenas a ponta do iceberg da grande expansão do aeroporto. O que eu achei estranho foi, que mantiveram a torre de comando em cima do antigo terminal.
Reply With Quote
     
     
  #106  
Old Posted Aug 23, 2012, 3:18 PM
MattBuchanan MattBuchanan is offline
Registered User
 
Join Date: Mar 2012
Location: Brasilia
Posts: 31
Aeroporto de Brasília terá a maior sala vip da América Latina


Foto: Infraero

A nova concessionária do aeroporto de Brasília prepara um pacote de ações de “curto prazo”, com investimento inicial de pelo menos R$ 10 milhões, como sua primeira intervenção ao assumir as operações.

O plano envolve um conjunto de medidas imediatas: revitalização dos banheiros, reforma da cobertura para acabar de vez com as goteiras, reparo de todas as escadas rolantes quebradas, implantação de um elevador adicional próximo à área de embarque, troca dos carrinhos de bagagem e uma nova identidade visual (o que abrange mudanças de painéis e letreiros).

Esse “banho de loja” começa daqui a aproximadamente 30 dias e é apenas para dizer que o grupo vencedor do leilão de concessão em fevereiro, formado pela brasileira Infravix e pela argentina Corporación América, chegou de vez ao aeroporto.

Simultaneamente, começa um “fast-track agressivo” para iniciar obras de ampliação até dezembro e chegar à Copa do Mundo de 2014 com capacidade para atender a 22 milhões de passageiros por ano, segundo José Antunes Sobrinho, presidente do conselho de administração da Inframérica, a nova concessionária.

Os investimentos na primeira fase de obras devem alcançar R$ 650 milhões e implantar a “maior sala vip da América Latina” no segundo andar do terminal, com um conceito inédito no Brasil, permitindo o acesso a essa área nobre não só por convite das empresas aéreas – viajando, por exemplo, de classe executiva -, mas também por meio de uma taxa cobrada de qualquer cliente interessado em usufruir do serviço.

A área prevista para os “vips” supera dois mil m2, mas o tamanho exato depende de aprovação do projeto pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Privilegiando o uso de vidro para aproveitar a iluminação natural e pé-direito mais alto para permitir uma “convivência harmônica” dentro do terminal, além de ousadia na jardinagem, o projeto básico da expansão do aeroporto está em fase adiantada.

Ele prevê a construção de dois píeres – um em cada ponta do terminal existente -, aumentando de 13 para 28 o número de pontes de acesso aos aviões.

Os corredores desses píeres terão mezaninos com lojas e lanchonetes, além de esteiras mecânicas para facilitar o trânsito de passageiros. No embarque, o check-in será compartilhado, sem guichês fixos por empresa.

Na hora do desembarque, a bagagem poderá ser retirada em esteiras “americanas”, que são inclinadas e permitem o recolhimento das malas com mais comodidade. Do lado de fora, o estacionamento mais do que dobrará de tamanho, atingindo 3 mil vagas.

A chegada ao terminal ganhará uma faixa adicional – no piso superior (embarque) e no inferior (desembarque) – para a circulação de veículos e o sobe-e-desce de passageiros.

As duas pistas do aeroporto, separadas por uma distância de 1.300 metros, já funcionam de maneira independente. Hoje, no entanto, cada uma só tem uma função durante a maior parte do tempo: pousos ou decolagens. Com a construção de saídas rápidas, o uso será otimizado, com aviões subindo e descendo em ambas as pistas e uma diminuição dos intervalos nas operações.

Até 2016, englobando já a segunda fase de obras, os investimentos chegam a R$ 1,1 bilhão e elevam a capacidade do aeroporto para 24 milhões de passageiros por ano. Hoje, o limite é para 14 milhões de passageiros.

“É um fast-track agressivo. Temos um projeto básico bastante adiantado. O BNDES conhece muito bem o grupo Engevix e buscamos a liberação do financiamento (às obras do aeroporto) ainda neste ano”, disse Antunes ao Valor, em uma sala apertada que faz as vezes de escritório provisório da Inframérica, enquanto a Infraero não passa totalmente o bastão à nova concessionária.

Ao lado dele, durante a entrevista, estava o vice-presidente da Infravix, que tem tocado o dia-a-dia do projeto: Antonio Droghetti Neto. “Migrar toda a parte de tecnologia da informação, de recursos humanos e de contratos representa um trabalho hercúleo. Mas o que pudermos fazer para acelerar, estamos fazendo”, completou Antunes.

Nos primeiros três meses de operação, o comando do aeroporto fica com a Infraero e a concessionária acompanha a administração. Nos três meses seguintes, os papéis se invertem: a Inframérica é quem gere o aeroporto, com acompanhamento da estatal. Só depois disso a operação passa a ser inteiramente privada.

Os contratos de aluguel de áreas comerciais com varejistas no aeroporto serão honrados até o final do período. Depois, a renovação será discutida caso a caso, obedecendo ao novo “mix” de lojas que a Inframérica pretende implantar em Brasília. Para saber o que desejam os passageiros, a concessionária concluiu uma pesquisa com dez mil entrevistas.

Fonte: Valor Econômico, Por Daniel Rittner

Fonte: http://agenciat1.com.br/?p=32955
Reply With Quote
     
     
  #107  
Old Posted Aug 23, 2012, 5:36 PM
pesquisadorbrazil's Avatar
pesquisadorbrazil pesquisadorbrazil is offline
LLAP
 
Join Date: May 2011
Location: Brasília DF
Posts: 23,379
Que doideira os números, hora falam de aumento da capacidade de 30 milhões, hora falam em 24 milhões só em 2016. Então pelo visto, passaremos aperto durante a Copa, se a demanda esperada é de 26 milhões. Sem falar que eles nem avisam que o satélite existente será DEMOLIDO para construção do píer.
Reply With Quote
     
     
  #108  
Old Posted Aug 23, 2012, 7:55 PM
MattBuchanan MattBuchanan is offline
Registered User
 
Join Date: Mar 2012
Location: Brasilia
Posts: 31
Também tive a mesma impressão Pesquisador... Agora pouco vi outra reportagem (Que também é desta semana), afirmando que será construido um novo terminal (Terminal 3), e que a capacidade no fim da concessão será de 34 milhões de passageiros por ano. Aí fica difícil saber qual será a real capacidade desse aeroporto...

Segue a reportagem aí embaixo:
Reply With Quote
     
     
  #109  
Old Posted Aug 23, 2012, 7:57 PM
MattBuchanan MattBuchanan is offline
Registered User
 
Join Date: Mar 2012
Location: Brasilia
Posts: 31
Brasília vai receber terminal de R$ 400 milhões
Valor Econômico - 21/08/2012

Fundado em 1957, o Aeroporto Internacional de Brasília é um dos principais aeroportos do Brasil e da América Latina. Por sua localização geográfica, recebe e distribui mais de 400 voos por dia, movimentando mais de 15 milhões de passageiros por ano para 44 destinos em todas as regiões do país. Sua última grande reforma ocorreu em setembro de 2010, quando foi inaugurado novo módulo operacional. Com ele, o aeroporto passou de 13 milhões para 14 milhões de passageiros ao ano.

Atualmente, o aeroporto de Brasília opera sete voos internacionais diretos: um para a Europa (Lisboa), três para os Estados Unidos (Atlanta e Miami), um para Lima, um para Montevidéu e um para o Panamá. Ainda opera um voo com escala para Rosário (Argentina) e um charter para Aruba.

Nos últimos cinco anos, cerca de R$ 90 milhões foram investidos em obras de melhorias e modernização. A expectativa é que a assinatura do novo contrato de concessão do aeroporto eleve substancialmente esse valor.

De acordo com José Antunes Sobrinho, sócio do Grupo Engevix, um dos responsáveis pelo consórcio Inframerica, novo operador do aeroporto, esse valor vai crescer. "A fase inicial do projeto, considerada emergencial para a Copa, prevê investimentos da ordem de R$ 640 milhões no novo terminal. Ao todo, o investimento será de R$ 2,8 bilhões ao longo da concessão."

Entre esses investimentos está a ampliação da capacidade do aeroporto, com a abertura do terminal três, com o investimento de mais de R$ 400 milhões. A previsão da Engevix é de sair de 17 milhões para 30 milhões de passageiros por ano e, na última fase, chegar a até 34 milhões de usuários por ano.

O consórcio seguirá o modelo de parceria com a Infraero. A Infraero tem 49% de participação e o Consórcio Inframérica, 51%. "Seria muito difícil começar um negócio nestas condições partindo do zero. Achamos as condições do edital são absolutamente equilibradas."

Um dos novos serviços do aeroporto, prometidos pela nova concessionária, será a sala VIP. "Também vamos trabalhar com mais opções de lojas de serviço para o passageiro", diz Sobrinho.

O grupo Engevix possui experiência de mais de 30 anos na execução de projetos, fiscalização e gerenciamento de aeroportos, tendo atuado, por exemplo, no Galeão, Guarulhos, Viracopos, Congonhas, Salvador, Confins, Florianópolis e Fortaleza, entre outros. A Corporación América, parceira no consórcio, tem experiência de concessão e operação aeroportuária em 48 aeroportos da América Latina.

Sobrinho explica que após a assinatura do contrato, tem início a transferência da operação. Esse período tem de três a seis meses, prorrogável por mais seis meses. Após isso a empresa inicia o desenvolvimento dos trabalhos de acordo com as exigências e prazos estipulados pelo edital de concessão. "Iniciaremos pelo desenvolvimento do projeto básico do novo terminal e pelas metas para a Copa de 2014", explica.

A empresa desenvolve atualmente um plano estratégico para definir se irá participar de novos leilões para concessões aeroportuárias. Sobrinho lembra que a empresa já opera São Gonçalo do Amarante (RN), que é um hub (centro logístico) no nordeste, e agora Brasília, que é outro um hub na região central do Brasil.

O Consórcio Inframerica Aeroportos é formado por 50% da Infravix Participações, empresa do grupo Engevix e outros 50% da operadora de aeroportos argentinos Corporación América.

A empresa argentina transportou 47 milhões de passageiros em seus aeroportos administrados no ano passado.

O leilão do aeroporto de Brasília terminou com ágio máximo de mais de 600% em relação ao preço mínimo pedido pelo governo entre os três ofertados (as malhas de Guarulhos e Campinas foram os outros). A oferta do consórcio foi de R$ 4,501 bilhões

Fonte: https://conteudoclippingmp.planejame...-r-400-milhoes
Reply With Quote
     
     
  #110  
Old Posted Aug 24, 2012, 2:40 AM
HLbsb's Avatar
HLbsb HLbsb is offline
Registered User
 
Join Date: Sep 2011
Posts: 402
Então o projeto do Consórcio é menor do que o utilizado como base para o leilão. Isso é um problema!

O crescimento atual do BSB é próximo de zero, ainda que a demanda da cidade continue crescendo. Isso é possível devido ao "desvio" de conexões. A aviação cresce no país e outros pontos, até então secundários na malha doméstica, estão assumindo papel de hubs (diga-se CNF, VCP e GIG).

Ainda que tenha vantagens estratégicas para voltar a crescer também nos passageiros em conexão, isso só é possível num cenário cada vez mais competitivo se o projeto a longo prazo combinar com o projeto de expansão das aéreas e da própria aviação no país. Se por outro lado o investidor privado está acanhado, é um sinal de que a concessão pode retirar boa parte da competitividade do BSB. Pior, pode retirar definitivamente tendo em vista que daqui a 25 anos o mercado já estará anos-luz a frente do que é atualmente.

Os caras estão falando em chegar a 34 milhões/pax/ano daqui a 25 anos, deixando de ocupar todo o resto do enorme sítio aeroportuário que comportaria TPS e pistas para uns 60/70 milhões. O projeto da concessão, apresentado pela ANAC, falava em 35 milhões no final dessa década e cerca de 50 milhões em 20/25 anos. Eu esperava que um investidor privado que pagou R$ 4,5 BI quisesse tirar o máximo proveito do investimento que fez, mas ele aos poucos está mostrando ser um empresário predador arcaico que preza pela lei do menor esforço.

Ao invés de investir em estrutura para receber o dobro de passageiros do que ele pretende, ele simplesmente fará um shopping, que aliás é investimento com retorno garantido nessa cidade, vai fazer seu caixa gastando o mínimo e daqui a 25 anos vai embora sem ter feito praticamente nada! Isso é pensamento de investidor preguiçoso, que quer se resguardar de qualquer risco, ainda que pudesse faturar muito mais arriscando um pouco.

Um operador de visão deveria estar correndo atrás de parceiros dispostos a fazer do BSB um hub. Quem sabe formar uma base operacional de alguma aliança aérea no continente sul americano. Se ele ampliar os pousos e decolagens, sobretudo internacionais, faturará muito mais no pretendido "shopping", além de aumentar as receitas operacionais. Isso exige investimentos maiores, mas retornos de escala muito maiores.

Bom, um aeroporto maior seria muito melhor também para nós, moradores da cidade, já que isso implica mais voos internacionais non stop, mais empregos gerados na cidade, mais impostos arrecadados, maior movimentação no setor de serviços e ganho de competitividade logística da cidade, permitindo inclusive atrair mais empresas. Ainda que o GDF não tenha nenhuma participação no aeroporto, deve tentar se inserir por ser o maior beneficiário nos fatores apontados acima.

Só como último comentário, esse investimento é grande o suficiente para inviabilizar por muito tempo um segundo aeroporto, em Planaltina, mas não é grande o suficiente para atender ao potencial da cidade. De toda forma, o melhor é ter uma grande estrutura do que duas de médio porte. O aeroporto de Planaltina pode ser um importante vetor para industrialização daquela região, mas esse nem é o modal logístico mais decisivo para a indústria, ao contrário, é o menos demandado. Sou favorável àquele aeroporto, mas o projeto deve ser todo reformulado, até porque a conjuntura de seu surgimento foi drasticamente alterada. Ele seria na verdade um aeroporto auxiliar, de pequeno porte, a princípio.

Last edited by HLbsb; Aug 24, 2012 at 3:04 AM.
Reply With Quote
     
     
  #111  
Old Posted Aug 24, 2012, 11:59 PM
pesquisadorbrazil's Avatar
pesquisadorbrazil pesquisadorbrazil is offline
LLAP
 
Join Date: May 2011
Location: Brasília DF
Posts: 23,379
E o render apresentado por um forumer, não bate com a realidade, se eles irão ampliar o aeroporto que atualmente possui 13 fingers para 28 fingers, então, a imagem que postaram, aparenta ter 18 novos fingers, totalizando 23 fingers. Então as imagens são bem diferentes do que pensamos. Até mesmo porque, se forem demolir o satélite atual, em vez do aeroporto aumentar sua capacidade operacional, vai ocorrer o contrário.
Reply With Quote
     
     
  #112  
Old Posted Aug 25, 2012, 4:47 PM
MattBuchanan MattBuchanan is offline
Registered User
 
Join Date: Mar 2012
Location: Brasilia
Posts: 31
Ótima análise HLbsb!, Concordo com suas afirmações! E acho que a maior culpada disso tudo foi a própria Infraero, que tem subestimado o Aeroporto de Brasília desde a publicação do edital no ano passsado. Qual foi a principal exigência da estatal para 2014? Um terminal novo com capacidade para 2 milhões de passageiros por ano . Como todos sabem, isso não resolveria em NADA o problema da saturação do aeroporto. E olha que para os padrões da Infraero, a concessionária estaria sendo "ousada" com os números apresentados até agora. Mas como o aeroporto não foi de graça, a Inframérica poderia arriscar mais para, é claro, aumentar ainda mais a receita desse investimento, e por outro lado, beneficiar a região de Brasília.

Bom, sobre os fingers, só nos resta esperar a divulgação do masterplan. Creio eu, aquela imagem serviu apenas para mostrar como o terminal ficaria, até porque ela não mostra detalhe algum.

Tenho esperança de dias melhores, até porque no que diz respeito a comodidade e conforto, a Corporación América sabe o que faz, os caras são bons! Essa semana vi umas imagens do novo terminal do Aeroporto de Zvartnots, na Armenia. Simplesmente impecável:









Fotos: Corporación América
Fonte das Imagens: https://www.facebook.com/media/set/?...8694494&type=3
Reply With Quote
     
     
  #113  
Old Posted Aug 26, 2012, 6:04 PM
pesquisadorbrazil's Avatar
pesquisadorbrazil pesquisadorbrazil is offline
LLAP
 
Join Date: May 2011
Location: Brasília DF
Posts: 23,379
Uma coisa que me deixou curioso, estive lendo alguns artigos, falando que a exigência em contrato da concessionária era construir o seguinte.

Um terminal novo, então o futuro terminal 3. Então aquele renders que vimos, somente diz respeito ao terminal 2. Pois a configuração do terminal 3 é o seguinte.

15 fingers e 24 posições remotas com capacidade para 2 milhões de paxs. Meu DEUS, como um terminal com 15 fingers e 24 posições remotas pode ter capacidade de apenas 2 milhões? Aí que está complicado entender.

Outro questionamento, no render do terminal 2, vemos que a intervenção que ocorrerá, dará ao aeroporto 26 novos fingers e não os 28 que eles alegaram. Então, existe um terminal novo, do zero, que não é o apresentado no render, e que pelo que fiquei sabendo, ficará na frente do atual, sendo que dos futuros 15 fingers, 10 serão destinados unica e exclusivamente a área internacional, o mesmo ocorrendo com das 24 posições remotas, 17 serão dedicadas a área internacional.
Reply With Quote
     
     
  #114  
Old Posted Aug 26, 2012, 10:49 PM
HLbsb's Avatar
HLbsb HLbsb is offline
Registered User
 
Join Date: Sep 2011
Posts: 402
Quote:
Originally Posted by MattBuchanan View Post
(...)









Fotos: Corporación América
Fonte das Imagens: https://www.facebook.com/media/set/?...8694494&type=3
Eles realmente constroem muito bem e por isso até então gostei muito do resultado do leilão. Fiquei um pouco decepcionado com as últimas declarações com relação ao tamanho, mas basta ver o aeroporto de Montevideo para não ter dúvida de que a qualidade do terminal será infinitamente melhor do que qualquer aeroporto brasileiro atual...
Reply With Quote
     
     
  #115  
Old Posted Aug 27, 2012, 4:41 PM
HLbsb's Avatar
HLbsb HLbsb is offline
Registered User
 
Join Date: Sep 2011
Posts: 402
Brasília pode ter novo aeroporto

Por Daniel Rittner e Cristiano Romero | De Brasília
Valor Econômico - 27.08.2012


Quote:
Uma das gigantes da construção no país, a Andrade Gutierrez pretende fazer um novo aeroporto nas proximidades de Brasília, voltado essencialmente para a aviação executiva e com investimento inicial de R$ 120 milhões.

O projeto da Andrade Gutierrez, em parceria com investidores locais, fica na região de Sobradinho (DF) e foi apresentado há algumas semanas para o governo. Prevê uma pista com 1,8 mil metros de extensão. A área total do empreendimento chega a 138 hectares, já foi inteiramente adquirida e não exige desapropriações. Além disso, requer trabalhos mínimos de terraplenagem.

O futuro aeroporto fica a menos de 20 quilômetros do Plano Piloto. Nos horários em que não há congestionamento das vias que dão acesso à cidade-satélite, o percurso até a Esplanada dos Ministérios leva entre 20 e 25 minutos. Estima-se que o tempo de construção pode tomar de 18 a 20 meses. Se houver agilidade nos trâmites burocráticos, os jatinhos vão poder usar o novo aeroporto já na Copa do Mundo de 2014. Sete partidas serão disputadas em Brasília, incluindo uma da seleção brasileira, além do jogo que definirá o terceiro lugar.

O projeto contempla uma série de "serviços acessórios" - não só os diretamente atrelados à atividade aeroportuária, como oficinas de manutenção para aviões e abastecimento de combustível, mas também para os futuros usuários do aeroporto. Está prevista a instalação de restaurante, espaço para eventos e um pequeno hotel (voltado mais à tripulação do que para os passageiros).

Para avançar no projeto, os empreendedores aguardam com ansiedade o decreto presidencial que autorizará a exploração comercial de aeroportos privados para a aviação geral. A medida faz parte do pacote de anúncios na área de infraestrutura que o governo deve fazer em setembro.

Atualmente, o Brasil dispõe de dezenas de aeroportos privados de pequeno porte, mas eles estão impedidos de atuar comercialmente. Os donos não podem cobrar taxas de pouso e decolagem nem instalar lojas comerciais em suas dependências. Essa possibilidade é limitada a aeroportos públicos - como o Campo de Marte (SP) e Jacarepaguá (RJ), ambos geridos pela Infraero.

Para o governo, a tendência mundial é que a aviação geral (que engloba de modernos jatos executivos a pequenos aviões particulares usados como lazer) vá migrando gradualmente para aeroportos próprios, liberando os grandes terminais para voos comerciais. Chicago, por exemplo, tem dois aeroportos comerciais e nada menos do que 13 específicos para a aviação geral.

Projetos importantes de aeroportos privados para a aviação executiva, que também aguardam o decreto presidencial, já haviam aparecido nos últimos meses. Todos, no entanto, estão na região metropolitana de São Paulo. O grupo imobiliário JHSF pretende construir uma unidade em São Roque, a 60 quilômetros da capital. Os empresários Fernando Botelho Filho e André Skaf, por sua vez, planejam construir e operar um aeroporto particular - o Aeródromo Rodoanel - na região do anel rodoviário.

O empreendimento da Andrade Gutierrez no Distrito Federal é o primeiro grande projeto para a aviação geral que surge, no contexto das oportunidades abertas com o decreto em negociação, fora de São Paulo. A ideia do novo aeroporto começou a amadurecer a partir da constatação de que 13% do movimento do Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek - o equivalente a quase 25 mil pousos e decolagens por ano - são da aviação executiva.

Mesmo com a expansão das operações prevista pela concessionária Inframérica, que acaba de assumir a administração do JK, há uma perspectiva de esgotamento do aeroporto para jatinhos particulares. Há duas semanas, quando a presidente Dilma Rousseff anunciou o pacote de concessões de rodovias e ferrovias, governadores e empresários chegaram atrasados ao evento no Palácio do Planalto por causa do congestionamento aéreo em Brasília. Foi o que ocorreu, por exemplo, com o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, e com o governador de Minas, Antonio Anastasia.

Dificilmente, pelas boas instalações e pela localização privilegiada, autoridades e grandes empresários deixarão de preferir o JK como aeroporto para pousar no centro do poder. Com administração privada, o JK deverá receber investimentos de R$ 1,1 bilhão até 2016. O novo aeroporto, no entanto, pode servir como alternativa. Além disso, prevê-se que terá forte demanda de proprietários de pequenas aeronaves. Hoje, esses "teco-tecos" usam principalmente o Aeroclube de Brasília, que, apesar do nome, fica em Luziânia (GO), a cerca de 60 quilômetros do Plano Piloto. Jatos executivos chegam a ser desviados algumas vezes, quando há restrições, para Goiânia.

Após a edição do decreto presidencial, a Andrade Gutierrez precisará ainda obter licenciamento ambiental para o projeto e um aval do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea), atestando que não há incompatibilidade com o tráfego do JK. Procurada pelo Valor, a empresa não quis se pronunciar.
Fonte: http://www.valor.com.br/empresas/280...novo-aeroporto

=================
A reportagem fala terreno de 138 ha, em Sobradinho, a 20km do Plano Piloto... Aquele terreno em Planaltina, já registrado na Anac, tem pelo menos 770 ha e está a 27km do Paranoá (45km até a Esplanada).

Alguém tem maiores informações sobre esse aeroporto da reportagem? Isso enterra qualquer possibilidade de aeroporto em Planaltina!
Reply With Quote
     
     
  #116  
Old Posted Aug 27, 2012, 5:48 PM
MAMUTE's Avatar
MAMUTE MAMUTE is offline
...
 
Join Date: Nov 2010
Location: Brasília
Posts: 13,349
Eu acho que não afetará em nada no outro projeto, esse suposto aeroporto será exclusivo para aviação executiva, já o aeroporto de cargas deve se concretizar caso a nova ferrovia passe próximo a região de planaltina, que viabilizaria a construção da cidade aeroportuária ao meu ver, mas sabe como é o Governo lento e moroso e deve demorar muito para termos alguma novidade ....
__________________
Concordou? Comente! Gostou? Comente! Discordou? Comente! Deixe sua Opinião!

Cadastre-se e Comente!
Reply With Quote
     
     
  #117  
Old Posted Aug 27, 2012, 6:39 PM
pesquisadorbrazil's Avatar
pesquisadorbrazil pesquisadorbrazil is offline
LLAP
 
Join Date: May 2011
Location: Brasília DF
Posts: 23,379
São 2 projetos distintos, um aeroporto para jatos executivos e outro para cargas e futuramente para passageiros também. Eu estou curioso para saber aonde seria esse aeroporto para jatos executivos. Pois será que não irá invibilizará a verticalização de Sobradinho e Planaltina?

Eu sei de outro aeroporto para jatos executivos que será perto do Alphaville. Eu percebo que em Miami, tem 2 aeroportos sendo um misto, internacional e nacional e outro regional, sem contar nos aeroportos apenas para jatos executivos.

Então se um meteoro ou se o mundo não acabar em 21/12/2012, em muito breve, teremos em vez de 1 aeroporto, teremos 3....

O outro aeroporto, de Planaltina, eu coloquei imagens no outro forum, inclusive as imagens apareceram no Bom Dia DF em 2010.
Reply With Quote
     
     
  #118  
Old Posted Aug 28, 2012, 7:24 PM
MattBuchanan MattBuchanan is offline
Registered User
 
Join Date: Mar 2012
Location: Brasilia
Posts: 31
Ótima notícia! Aeroportos privados desafogam muito os aeroportos principais, tomara que construam rápido.

Também, já está disponível no site oficial da Coporación America, a página preliminar do Aeroporto de Brasília (Lá ja tem o logotipo do aeroporto):

http://www.corporacionamerica.com/pt...to-de-brasilia

Quem conferir o site, vai observar que lá tem aquele mesmo render divulgado aqui, só que com uma resoluçao melhor. Com mais clareza, dá pra ver que o terminal 1 vai ser totalmente reformulado.
Reply With Quote
     
     
  #119  
Old Posted Sep 5, 2012, 1:13 AM
Felipe Caixeta Felipe Caixeta is offline
Registered User
 
Join Date: Sep 2011
Posts: 41
Brasília é cidade mais cogitada para novo voo da Air France para Paris

Cecília Pinto Coelho -
Publicação: 04/09/2012 15:50 Atualização:



O brasiliense poderá ter mais uma opção de voo direto para a Europa. A companhia aérea Air France, que já voa duas vezes por dia de São Paulo e do Rio de Janeiro para Paris, estuda a possibilidade de aumentar a oferta. Entre as cidades possíveis, Brasília é a mais indicada para voo direto para a capital francesa. O DF é o lugar que registra maior número de viajantes para a França em proporção à população, totalizando cerca de 15 mil pessoas/ano.

"Para nós a prioridade seria Brasília, porque é bem central — o que possibilita clientes de outras regiões. A capital também tem um mercado muito bom: o quarto após São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre", afirma o diretor-geral da Air France/ KLM para o Brasil, Marc Baillart.

Embora ainda não haja uma data fixa, devido à crise europeia (e a específica nas companhias de aviação), a iniciativa do novo voo vem a calhar com o plano de marketing francês, que pretende levar 1,5 milhão de brasileiros para a França até 2020. "Paris é o primeiro destino dos brasileiros na Europa", diz o diretor Américas da Atout France, Jean-Phillipe Perol. "E 2011 foi um ano fantástico, quando 580 mil brasileiros foram para país do vinho. A expectativa para este ano é de 620 mil." Desse total, 40% chega pela Air Frnace.

Outro ponto favorável para a preferência por Brasília é que a capital é um HUC importante – o terceiro no país – da empresa aérea Gol, com quem a Air France compartilha o programa de milhagem. "É preciso ver o potencial do destino para o mercado europeu também. Levamos 18 meses para que a linha funcione bem e comece a render", explica Baillart.

http://www.correiobraziliense.com.br...ra-paris.shtml
Reply With Quote
     
     
  #120  
Old Posted Sep 5, 2012, 6:29 PM
pesquisadorbrazil's Avatar
pesquisadorbrazil pesquisadorbrazil is offline
LLAP
 
Join Date: May 2011
Location: Brasília DF
Posts: 23,379
Veremos mesmo, que esse vôo saia do papel, pois o presidente alegou que não operava em Brasília por falta de slot. Será que até o fim do ano, teremos novidades?
Reply With Quote
     
     
This discussion thread continues

Use the page links to the lower-right to go to the next page for additional posts
 
 
Reply

Go Back   SkyscraperPage Forum > Regional Sections > América Latina > Brasil > Infraestrutura & Transporte
Forum Jump


Thread Tools
Display Modes

Forum Jump


All times are GMT. The time now is 8:57 AM.

     

Powered by vBulletin® Version 3.8.7
Copyright ©2000 - 2020, vBulletin Solutions, Inc.